Glauco Viana
sinceramente!!!
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

Menos "não" Mais "sim"
O mundo foi construído encima de "não" e virou epidemia de negação.
Não pode seguir o dom original,
não pode se dedicar ao encaixe espiritual,
não pode fazer castelinho de latinhas de cerveja,
não pode ter o Deus que se deseja
e matar a fome de prazer como deseja...
O homem quer "sim" para a igreja,
para o Estado,
para o chato,
o amargurado,
esquecendo que a diferença é única e sadia.
Usaram guerras,
destruíram terras,
invadiram mentes,
deturparam corpos,
prostituíram vidas,
e através de muito "não" formaram homens parasitas da tecnologia, das Instituições e da liderança criminalista chamada coronelismo, política e poder.
O "sim" para liberdade de expressão está preso nos bancos,
o "sim" para alegria não chega aos bancos da praça,
tiraram a graça de viver na natureza.
Cortaram árvores e agora "não" temos dinheiro para comprar um apartamento,
Sujaram a água e agora cobram pelo abastecimento,
Mataram todo tipo de bicho para nos dar alimento em lata...
Viramos vira-lata em dia de mudança e a mudança nunca chega neste mundo de "não"..
O "sim" virou utopia e o "não" aparece como fotografia nos self esbanjados nos Iphones,
o "sim" foi instituído como "não" e Deus está mais para "não" a "sim".
Solução?
- Sim!
Usar o passado como exemplo para dizer "não" para tudo que cheira negação da maneira individual de se viver.
O "não" até hoje foi das multidões,
o "sim" é o eu louco para abraçar o mundo.

Mais "sim" para si afim de abandonar o "não" dos espertinhos que acharam que construíram um mundo justo.
Glauco Viana
Enviado por Glauco Viana em 20/09/2017
Alterado em 20/09/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários